2 de maio de 2016

                                                                Bem -Vindos!


Santa Igreja Celta


Somos a Santa Igreja Celta, uma Igreja autocéfala com união com a Igreja Sede na Irlanda, conduzida pelo nosso Primaz, Irlandês +++ Alistair Bate.



 O Cristianismo Celta ficou dissociado da Igreja Romana, até o século VI, desde a  chegada de José de Arimatéia, até a chegada de Santo Agostinho de Cantuária, por mandato do Papa Gregório o Grande.

O Papado é uma contrução do Império Romano e não da Igreja, que começa com Constantino, um imperador pagão que se só converte no seu leito de morte.

A Igreja da Inglaterra tem três períodos distintos no seu início, A Igreja Celta, depois de Santo Agostinho, o período Romano e após a Reforma, e quem vem atuante até os dias de hoje...

Henrique VIII não fundou uma Igreja alguma, ele simplesmente conseguiu a antiga autonomia da Igreja Celta que sempre existiu, perdida por imposição do Rei Oslo, no século VI. E assim a Igreja da Inglaterra se torna romana por força de um Rei, e volta a ser autônoma resgatando a sua originalidade, pela força de outro Rei.

A versão de que a Igreja da Inglaterra é uma cisão da Igreja de Romana é imposta por Roma, ou seja, é a sua versão de um fato que comprovadamente, para quem gosta de pesquisar, cai por terra. 

A Igreja da Inglaterra é a continuidade da Igreja Celta. 

Este fato não pode ser negado, portanto afirmar que a Igreja Celta nunca existiu, isto é ma versão fantasiosa, contada em beneficio próprio de maneira desleal e mentirosa. Não merece crédito quem conta esta versão, ou seja, Historicamente a Igreja Celta sempre existiu sim, ao contrário do que nesciamente se propaga. 

A Igreja Celta sempre existiu historicamente, mas a sua característica sempre foi e ainda é de uma Igreja pequena e pobre, mas com uma Rica Espiritualidade, e somente no século VI foi submetida à FORÇA a Igreja Romana que tentou destruir a sua espiritualidade, como ainda fazem algumas Igrejas Nacionais sem uso de propriedade. 

A Igreja Celta, além de pobre e pequena, era uma Igreja Monástica, mesmo que pseudos historiadores, se utilizem de linguagem e historiografia  pobre e limitada para justificar o injustificável. 

E precisamos desconstruir em nossa mente  a tese que a Igreja da Inglaterra é uma invenção da Monarquia Inglesa, com o intuito de facilitar o casamento do Monarca regente, esta interpretação é carente de conteúdo, é uma versão tendenciosa de quem ainda insiste com ela. 

Nos primeiros anos do Cristianismo nas Ilhas Britânicas realmente há pouquíssimas informações, porém no Concílio de ARLES e NICÉIA havia a presença de Bispos Ingleses, porém a Igreja da Inglaterra só se submete a Roma por imposição do Rei Oslo, (que já citei acima), no século VI, isso é histórico e não adianta, não tem como contestar.
Os registros históricos da existência de Jesus, fora dos registros bíblicos, também são quase inexistente, porém para nós não prova que Ele não tenha existido!
Não duvido da importância e seriedade da tentativa de pesquisas de outras vertentes, mas tudo vai depender da fonte, que pode ser tendenciosa.
Sabemos que a verdade absoluta não existe e até a história é uma ciência humana e tudo depende do prisma que o fato é observado.


Sendo assim, sejam todos Bem-Vindos, à Santa Igreja Celta, ainda mantemos o ideal pobre e simples, e somos constituidos em sua maioria, por pequenas celulas,  assim como os primeiros cirstãos, e nossos eremitérios, se propõe a ser pequenos Oásis, em meio a agitação que vivemos em nosso dia a dia, e que aqueles que aqui chegarem de coração aberto, possam ter seus passos conduzidos pelo Espírito Santo, em busca de uma vida mais íntima com Deus e sua criação, os elementais, a natureza e o respeito a Criação, como manifestação do Amor e da Bondade Divina, sabendo, que tudo, está conectado, e precisamos da natureza para a nossa Evolução, e nisto não está incluído nenhum"ritual" , a não ser o de descobrir-se participante da Criação, e com ela ser UNO com o Criador!

Que o nosso Bom Deus nos abençoe e conduza!




A Santa Igreja Celta, está presente em 15 países em todo o mundo. Veja em nosso site internacional os links que lhe direcionarão para as várias igrejas onde estamos presentes, ao redor de um único Primaz, +++ Alistair Bate.

Ou sejam comunhão e presença de uma única Igreja.
 Não somos uma fundação Brasileira e esta linda bandeira expressa a nossa presença no mundo!


Visite o nosso site Internacional








    Seja bem-vindo(a) ao blog da Santa Igreja Celta, Prelazia de Todos os Anjos. Somos uma igreja Católica Liberal de tradição celta e participamos de uma jurisdição que também é compõe faz parte da Aliança dos Santos Apóstolos. Ou seja,  somo filiados ao  Conselho Mundial de Igrejas Cristãs, por meio de dos membros espalhados que compõem o Clero Internacional.




O nosso Bispo Primaz é o  Ex Revmº Dom Alistair Bate, OSBA,(csr), que tem dupla nacionalidade, é Britânico e Irlandês, e toda a sua Educação foi feita da Irlanda, além do seu Mestrado em Teologia na Universidade de Edimburgo na Escócia, sua própria de espiritualidade foi em Espiritualidade Celta, o que nos dá confiabilidade na "FONTE" em que bebemos da espiritualidade, sem desculpas que a espiritualidade celta também veio pelos portugueses colonizadores, que aliás nos trouxe a espiritualidade celta pagã e não a cristã.... e a Teologia do nosso Primaz não foi feita a distância, e sim presencialmente. Atualmente, Dom Alistair tem promovido retiro baseados na Espiritualidade Celta, na Suíça onde ensina a antiga espiritualidade Celta e a teologia inglesa.

Então, o que é o Cristianismo Celta? 

É mais fácil dizer o que não é... 

Não é o catolicismo romano como o conhecemos hoje, pois nos primórdios da Igreja Universal e das Comunidades Espalhadas pelos Apóstolos, e dos grandes Santos Bispos Celtas, o Bispo de Roma era apenas  o Bispo de Roma, como existia Bispos responsáveis por vários locais, bem como os  Patriarcas do Ocidente, assim como os nossos irmãos das Igrejas Ortodoxas de várias linhagens como os melquitas, bizantinos, siríacos... O que constituía as igrejas autocéfalas, como todos os Bispos (sucessores dos Apóstolos), tendo todos os direitos iguais.




O cristianismo celta verdadeiro é descrito, como católico, apostólico e ortodoxo, pois preservamos  a Sucessão Apostólica, e aceitamos os ensinamentos dos Concílios Ecumênicos na forma em que estes ensinamentos nos chegou de forma intocável, unida e plenamente desenvolvida até o primeiro Millennium, antes da separação de Roma e da Ortodoxia Oriental como já citamos antes.  

A Espiritualidade Celta, não é limitada apenas as terras celtas ancestrais, mas também conseguiu chegar os grandes santos portadores e participantes do rico patrimônio Inglês e Irlandês Antigo.

Assim como o cristianismo como um todo é uma síntese do judaísmo e das religiões de mistério e filosofias antigas do Oriente Próximo, a espiritualidade Celta, é uma síntese da doutrina católica ortodoxa padrão e também em sua prática litúrgica; guardamos o tesouro da espiritualidade dos padres do deserto do Egito e as tradições espirituais baseadas em criação narrativas do noroeste da Europa. O que provoca uma mistura de ortodoxia, ortopráxis, monástica e espiritualidades, que respondem por sua longevidade o apelo da renovação constante de criação. 

Como nos fala Santo Agostinho: Aquilo que é chamado a religião cristã existiu entre os antigos, e nunca deixou de existir, desde o início da raça humana, até que Cristo veio em carne, momento em que a verdadeira religião, que já existia, começou a ser chamado cristianismo", e assim São Columba, o próprio proveniente de uma família nobre mergulhada na tradição druídica(tradição sacerdotal Celta), poderia exclamar com convicção "Cristo é meu Druida ou seja, meu Salvador, meu Sacerdote". 

Na Idade Média, as velhas formas de monaquismo celta, deu lugar a forma ocidental  por meio das  regras Agostinianas e Beneditinas, mas o conhecimento Celta que era o antigo do "livro da natureza" sobreviveu, como São Bernardo de Claraval, escreveu: "o que eu sei da ciência divina e santa escritura, eu aprendi nos bosques e campos."


Algumas características da Espiritualidade Celta


  • Amor apaixonado pela natureza e pelos elementais da Natureza um lembrete constante do Amor e do Dom de Deus.
  • Amor e respeito pela arte e poesia.
  • Amor e respeito para as grandes histórias da humanidade e em especial a nossa.
  • Ter e viver uma experiência de e com  Deus e os seus santos como, uma presença intima, pessoal, unica e verdadeira
  • Teologicamente conservar a ortodoxia, com um ênfase particular sobre a Santíssima Trindade, e nutrir um Grande Amor e respeito e devoção por Nossa Senhora, Santa Maria, a Encarnação de Cristo, e a Divina Liturgia.
  • Ter o discernimento e a consciência entre as tênues fronteiras sobre o sagrado e o secular.
  • Estrutura única de Igreja: Originalmente não existia nenhuma cidade, e só existiam pequenos assentamentos nômades, portanto, a igreja foi mais monástica no seu início, em vez de diocesana, o que resultou em regras e liturgias bastante independentes.
  • Irlanda por ser muito isolado; foi difícil impor a autoridade papal, mantendo-se como no início autocéfala. 
  • Temos influencia tanto do monaquismo do Ocidente, quanto do Oriente Médio e copta.
  • Os Mosteiros eram frequentemente grandes aldeias teocráticas, muitas vezes associados a um clã com os mesmos laços de parentesco, junto com os escravos, homens livres, monges celibatários e freiras, padres casados ​​e leigos vivendo lado a lado.
  • Enquanto alguns mosteiros foram em locais isolados, existiam em maior número os que estavam próximo ao meio Urbano.
  • As mulheres tinham mais condições de igualdade no direito irlandês antigo, portanto, as Abadessas e outras monjas, tinha por vezes, sempre uma palavra a dizer na administração da igreja.
  • É quando se desenvolve o conceito de espiritualidade intimista, e confissão tenho um "amigo da alma" ( amanchara ) para ajudar na direção espiritual.
  • Criou-se a confissão pessoal auricular. 
  • A Tradição e os ensinamentos da Sagrada Escritura eram passadas de forma oral uma vez que a grande maioria das pessoas eram analfabetas, mas tinha grandes habilidades de memorização. Eles gostavam de ouvir grandes histórias.
  • A sensação de proximidade e imanência entre o natural e o sobrenatural.
  • Ser Hospitaleiro é próprio da nossa Espiritualidade e Igreja.
  • Ênfase na família e os laços de parentesco.